quinta-feira, 17 de abril de 2014

Depressão - A dor da perda de um filho

Amigos...


Vamos falar sobre a tristeza... a dor da alma...
Por favor, pessoal, o texto mexe com questões profundas. Se você não concordar, apenas pense a respeito.
Não quero criar polêmicas.
Quero que você seja FELIZ.... apesar de...


A tristeza permanente, na minha compreensão, é uma emoção que representa: "minha vida não está do jeito que eu queria".
Seja por qual motivo for, ela está associada à nossas "crenças pessoais".

E o que vem a ser "crenças pessoais"?
É aquilo em que acreditamos e tomamos como verdade absoluta.
Por exemplo:
1- A mulher que não pode ter filhos é incompleta.
2- Se meu filho morrer minha vida perderá o sentido.
3- Filhos são para sempre.


Exemplo de tristeza profunda (depressão) :

"Meu filho faleceu.
A minha vida se foi com a partida dele..."

Sofrer uma perda é algo completamente aceitável e compreensível. A separação de quem amamos é bastante dolorosa.

Mas, tem pessoas que reagem de forma a cair numa profunda depressão quando isso acontece. Chegando ao ponto de não conseguirem comer, trabalhar, levantar da cama e perder todo o interesse pela própria vida e a dos que ficaram.

De verdade... você já se perguntou bem lá no fundo o porquê de você sofrer tanto?

Você sofre porque não sabe o que está acontecendo com ele, daquele instante de sua ida, em diante? 
Você sofre porque ficou sem seu objetivo de vida, que seria ser mãe até ele se tornar adulto? 
Você sofre porque sua vida era ele, e agora ela perdeu totalmente o sentido?

Vou te dizer uma coisa... geralmente, a gente pensa: "O que vai ser de mim, meu Deus?"

E este tipo de preocupação não está relacionado ao novo destino desse filho...
Você estava na sua zona de conforto e, de repente, aquilo mudou e você ficou sem chão.
Você acha que você somente seria feliz ao lado dele, não acha?

Prestem a atenção no que eu estou perguntando....

O problema é a sua vida... ou o que aconteceu da vida dele?
Você pensa "ele me fazia feliz, ele me fazia tão bem, ele me amava muito... ele, ele, ele...?

Você sentiria CULPA se fosse se adaptando à nova vida, sem este filho?

Por favor, não estou aqui banalizando a perda de um filho.
Estou provocando questionamentos em vocês sobre o que de fato te traz a infelicidade.

Se, por acaso, se abrisse uma tela bem grande na sua frente e você pudesse ver e conversar com este filho... e ele te dissesse que estava feliz nesse novo lar, que ele gosta de lá e que sente saudade, mas, que estava bem ... seu sofrimento amenizaria?

Amigos queridos...
É um susto muito grande percebermos que, a maioria de nosso sofrimento vem do pensamento, quase que exclusivo, do que acontecerá com VOCÊ depois daquele fato.

As preocupações sobre a vida do outro fica em 5% nessa questão....
O restante é a nossa compreensão à partir do EGO, que centraliza as coisas para nós, individualmente.

Pensamos em NÓS.

NADA NESSA VIDA É NOSSO... a não ser a história que construímos, as experiências que adquirimos, a vivência que passamos...

PENSE...

Tudo é passageiro...

Com relação ao exemplo da perda de um filho... ele, o filho, também não é nosso.
Ele tem a história dele... a individualidade dele... ele tem a própria vivência... ele é ele.

Somos indivíduos.... indivíduos.... individuais.... indivisíveis... não divisível... não nos dividimos... não somos METADE do outro.... somos inteiros e únicos, cada um com sua impressão digital...

NENHUMA coisa é para sempre.
Tudo se transforma a cada instante...

DESAPEGAR, não significa deixar de AMAR.
Desapegar significar soltar... des apegar... não criar apego... não segurar... não aprisionar... libertar... deixar fluir... deixar seguir seu destino...

Ora, se você deixar fluir... deixar ele SER... você o respeita como uma VIDA INDIVIDUAL.
E esse respeito é uma atitude... e isso é AMOR.

Agradeça a oportunidade de ter partilhado experiências com este ente querido.
Agradeça os momentos de troca de afetividade que vocês tiveram.
Agradeça a oportunidade de ter sido mãe.
Agradeça essa experiência única de ter se doado...

NADA É PARA SEMPRE ! NADA !
NEM EU, NEM VOCÊ.

Sofrer é viver no PASSADO.
Viver no passado é não estar consciente no momento PRESENTE.

E isso significa que você está à deriva ... na inércia... 
Assim, você não está vivenciando nada.... apenas passando pela vida como uma sombra de você mesmo.

AME... AME SEU FILHO... ENVIE AMOR PARA ELE...
Deixe ele seguir a sua história, com AMOR e RESPEITO pela individualidade dele.

Olhe à sua volta...

Veja as pessoas que estão ao seu lado... veja VOCÊ.
Veja seu papel nessa vida... olhe para os outros... nos olhos... seja útil...

Veja a Natureza... tire essa tristeza de dentro de você de forma consciente... sem culpas... sem medos... se liberte... solte...  des apegue-se... flua...

Dê seus novos passos vivendo no momento presente. O HOJE.

 


***

Com respeito por você...

Até o próximo post!
Kika.



Nenhum comentário:

Postar um comentário